PIF- peritonite infecciosa felina- comprovada por ultrassonografia

Dra. Nathaly Ituassu
CRMV-RJ 7397
Formada em 2004 pela Universidade Estácio de Sá – Campus Vargem Pequena/RJ
Especializada em clinica médica de pequenos animais
Diretora Médica da Clinica VET ANGEL’S - Recreio dos Bandeirantes/RJ
 
 
 
 

RELATO DE CASO:
PIF- peritonite infecciosa felina- comprovada por ultrassonografia.

Animal chegou à clínica apresentando intensa icterícia, desidratação severa, prostração e aumento abdominal significativo. Animal convive com mais outros quatro felinos sem sintomatologia nenhuma, todos testados para Fiv Felv sendo todos negativos. No exame clínico suspeitamos de PIF (peritonite infecciosa felina) a qual foi comprovada pela ultrassonografia.
 
A PIF é uma das principais causas infecciosas de morte em felinos. Felinos infectados podem não reagir à corona vírus. Outros felinos podem ser infectados desenvolverem uma resposta imunológica adequada e serem assintomáticos, porém transmissores. PIF é uma vasculite, ou seja, uma inflamação dos vasos sanguíneos,  podendo ela ser húmida ou seca. 
 
A mais grave delas é a húmida, onde inúmeros vasos sanguíneos são acometidos levando ao acúmulo de líquido no abdômen e no tórax. Já a seca, os sintomas são mais brandos, onde vemos falta de apetite, anorexia.
 
Para o diagnóstico de PIF solicitamos ultrassonografia e sorologia. 
 
Sua transmissão ocorre pela ingestão do corona vírus presente nas fezes dos felinos acometidos. A PIF ainda não tem cura e seu tratamento é apenas paliativo. 
 
A paciente do relato acima veio a óbito no dia seguinte do diagnóstico positivo para PIF.
    
                                         LAUDO ULTRASSONOGRÁFICO
Paciente - Eva
Espécie - Felino; Raça - Siamês; Sexo - Fêmea; Idade - 5 meses.
 
  • Hepatomegalia leve, contorno regular. Parênquima homogêneo, hipoecogênico, compatível com hepatopatia aguda.
  • Vesícula Biliar com parede fina e regular, conteúdo anecóico,  com discreta lama biliar. Não há colélito ou colestase pós hepática. 
  • Baço apresenta volume normal, contorno regular, parênquima homogêneo.           
  • Rins com aumento de volume, medindo aproximadamente 4.0 cm de comprimento, compatível com nefrite. Arquitetura, relação córtico medular e ecotextura preservadas. Não há dilatação em pelve.       
  • Vesícula urinária com parede fina e regular. Conteúdo anecóico. Não há cálculo.
  • Útero e Ovários não visibilizados (normal em paciente impúbere).
  • Não há alterações em sintopia pancreática.        
  • Trato gastro intestinal sem alterações. Não há processo obstrutivo.  
  • Há linfoadenomegalia mesentérica (1.0 x 0.54 cm). 
  • Apresenta moderada efusão peritoneal com celularidade, acompanhada de reação mesentérica difusa, compatível com peritonite (infecciosa?).
  • Não há efusão pleural.
 
Rio de Janeiro, 01 de Agosto de 2015.
Dr. Antônio Vinícius Avelino de Souza
IMAGINOLOGIA VETERINÁRIA
CRMV-RJ 6472